Os Grupos de Apoio à Adoção têm entre suas linhas de atuação:

Trocas de experiências entre os membros para se conseguir melhores resultados na difícil tarefa de educar e preparar um futuro digno a um filho adotivo.
Orientação e aconselhamento a quem deseja se informar a respeito de adoção ou mesmo efetivá-la.
Difusão e estimulo para outras pessoas capazes de receber uma criança que não tem família.
Atender as crianças e adolescentes em situação de abandono.
Propagar uma Nova Cultura da Adoção, visando o melhor interesse da criança sensibilizando a sociedade para a questão das crianças institucionalizadas que se encontram privadas da convivência familiar.
Através dos esforços feitos pelos GAAs a definição de criança "adotável" começa a mudar. Agora se pensa em qualquer criança que tenha necessidade e que pode ser beneficiada com uma família que lhe dê amor e que a transforme em filho. É na família que a criança vai ter seu desenvolvimento bio-psicossocial pleno.






Modelo de Estatuto